reparações

Limpeza da máquina da louça

Há algum tempo que ando com problemas na máquina da louça. Primeiro começou com uma fuga de água, que misteriosamente desapareceu, depois a lavar mal ou então a não secar no final.

Tentei tudo… limpar filtros, lavagem a quente, vinagre, lixívia…etc… ver se tinha alguma obstrução no cano… sem sucesso.

Finalmente, resolvi usar um produto específico de limpeza de máquina de louça, que tinha na casa da minha mãe.

E, pelo menos para já, parece que o problema está resolvido.

Isto não é publicidade à Finish. Era o que tinha à mão.

Mas a verdade é que tenho sentido que, ao utilizar o programa curto de 30 minutos e detergentes menos agressivos (ecolabel), isso obriga-me a uma limpeza mais profunda, de tempos a tempos.

Por isso já sabem, antes de chamar o técnico, o melhor é usar os produtos específicos de limpeza, para tentar eliminar os problemas mais básicos.

Preço do trabalho (reparação pelo preço de um item novo?)

Finalmente levei o grelhador para reparar porque… confinamento.

Custo da reparação: 23 €

Custo do grelhador, usado, há 2 anos: 25 € (ou 20€ ?)

 

A minha reacção quando me foi dado o preço foi de surpresa, que se adensou quando não vi qualquer substituição de peças (é de abertura fácil, por isso é que gosto dele).

 

O meu modelo já não existe na página da Flama, mas para ficarem com uma ideia, o modelo é o 440FL. Ou seja, um grelhador para custar 70 €, novo.

Capturar (87).JPG

Pedi a factura-recibo com descrição da reparação para efeitos de garantia. Recomendo que façam sempre isso.

 

Quando a recebi, não foi a descrição que me chamou à atenção, mas o valor sem IVA: cerca de 18 €. Na verdade foi isso que paguei ao/à técnico/a: 18 € para reparar um equipamento de 70 €.

 

Sei que a primeira ideia que virá à mente de muitas/os é que os 23 € dariam para comprar um grelhador novo, mas teria um grelhador com a mesma qualidade? E reparável?

 

Conheço um habitual das compras de ferramentas no Lidl. Quando avaria dentro da garantia, devolvem o dinheiro, nunca dá para reparar.

 

Podemos continuar a ignorar os custos ambientais e humanitário de consumir descartáveis?

 

Os custos de produzir um grelhador novo começam numa mina, onde são extraídos os metais para os seus elementos.

E mesmo nessa indústria de extração, têm (deveriam) de contabilizar todos os custos ambientais, depois de abandonadas as actividades.

Isso nunca é feito, e fica a população local com esses pesados custos.

 

Eu acredito no poder da acção individual dos consumidores nos ciclos de produção, por isso é importante para mim reduzir a minha pegada ambiental e procurar sempre a reparação, em detrimento do novo.

 

O meu grelhador está a funcionar.

 

Custos:

18 € para um trabalhador local

5 € para as finanças públicas

 

Como têm sido as vossas experiências de reparação de equipamentos e eletrodomésticos?

 

https://descontos.blogs.sapo.pt/4072233.html

3 avarias… três decisões (2)

GRELHADOR/TORRADEIRA

 

Há 2 anos comprei um grelhador + torradeira Flama, usado, por 25 €. Era exactamente a que eu queria: que abrisse completamente, com placas amovíveis para lavar, dá para arrumar na vertical, marca nacional.

Novo, custa entre 60€-70€.

 

Esta semana deitou-me a luz abaixo e deixou-me com o lanche a meio.

 

A minha primeira opção é sempre reparar, mas em termpos de pandemia, não me apetece  tratar disto. Estou optimista que seja uma reparação simples.

 

Vejo pão molhado no leite e muitas rabanadas, no meu futuro próximo. 🙂

 

https://descontos.blogs.sapo.pt/3998555.html

“Reparação” da placa vitrocerâmica – só precisei do manual

IMG_20181120_082608_557.jpg

A minha manhã começou lindamente. Ia aquecer leite para o pequeno-almoço e a vitrocerâmica não funcionava.

O primeiro passo foi ir ao manual, para perceber qual o problema. O L é o bloqueio para crianças. Sabe-se lá porque foi activado. 

Li o manual, segui as instruções para o desligar e “reparação” estava feita. 

Juro que já estava a fazer contas à vida, a pensar como iria cozinhar nestes dias, a pensar no dinheiro que iria gastar.

 

Já não é a primeira vez que ter o manual do aparelho já me permitiu poupar algum dinheiro. 

 

É que sendo um item tão essencial, o primeiro instinto é recorrer aos técnicos de reparação e arriscamos a fazê-lo quando não existe uma real avaria.

IMG_20181120_084637_279.jpg

Como podem constatar, não é nada de grandioso. Tenho os manuais separados em duas caixas. Para poupar no volume, cortei dos manuais todas as páginas em língua estrangeira. 

Os manuais não só têm os “erros” como as referências para comprar peças, se precisarem. Recomendo vivamente que os guardem, enquanto tiverem os aparelhos.

 

https://descontos.blogs.sapo.pt/3473715.html